jusbrasil.com.br
18 de Outubro de 2019

Sobre o torpe atentado contra o candidato Jair Messias Bolsonaro

Eduardo Luiz Santos Cabette, Professor de Direito do Ensino Superior
ano passado

Não tenho a pretensão de elaborar aqui um "artigo científico", mas apenas expressar minha opinião sincera e indignação diante desse atentado à democracia e da reação incompreensível e injustificável de alguns indivíduos:


Altamente lamentável a reação de algumas pessoas diante do atentado contra o candidato Jair Bolsonaro:

1) Pretensão de atribuir ao seu discurso no que diz respeito a armamento e autodefesa, bem como sua visão de nuance belicista da segurança pública, uma espécie de "justificativa" para uma tentativa de homicídio a facadas (não existe "justificativa" nem campo de "compreensão" para esse tipo de coisa)! Ora, estão confundindo o "signo" com a coisa em si. A frase comumente atribuída a Aristóteles deve ser lembrada: "A palavra cão não morde". Bolsonaro não agrediu fisicamente a ninguém, não atirou em ninguém, não esfaqueou ninguém. Há aqui também uma total falta de senso de proporção. Certo ou errado o discurso, este não pode ter o mesmo peso de atos concretos. Fosse assim chegaríamos ao absurdo de quando uma mãe diz ao filho, "se você sujar essa roupa nova eu te mato", a prendê-la por homicídio!!!!

2) Comemoração do atentado contra um ser humano!!!! Isso, creio que dispense qualquer comentário!

3) Divulgação de fotos do candidato entrando em outros locais, andando e com a camiseta sem furo, afirmando que é o hospital. Fotos de ângulos contrários ao ferimento, afirmando que não há ferimento. Alegação de que não viram sangue na faca ou escorrendo ou jorrando do candidato. Ora, com 29 anos de experiência policial e atendimento de centenas de casos de facadas, é fato óbvio que uma agressão com faca não faz, normalmente, jorrar sangue, ao menos não de imediato, na maioria dos casos. Isso é confundir ridiculamente filmes trash de terror com a vida real!!!! Na faca também ficam, normalmente pequenas manchas de sangue, às vezes somente levantadas pericialmente. A faca retirada normalmente não fica enlameada de sangue! De novo confundem filmes trash de terror com vida real!!! É o cúmulo da má fé ou então da imbecilidade! Além do mais, muitas vezes o atingimento de órgãos internos causa hemorragias graves e intensas internas e não externas. Para essas teorias de conspiração, todos estão mentindo: uma multidão no local, a Polícia, todos os médicos e enfermeiros que o atenderam até agora e até mesmo o autor do atentado. Só estão certos os que, por uma força de pensamento, "querem", "desejam" que seja mentira o fato de que um desequilibrado ideologizado praticou um ato tresloucado. Isso, que é algo muito natural (um desequilibrado ideologizado doente praticar atos insanos), é visto como algo praticamente impossível! É a completa inversão da lógica!

4) Não importa em quem o indivíduo vota, no que ele acredita, é inadmissível, ao menos num ambiente civilizado e democrático, minimamente humano, não somente pretender calar um adversário, mas eliminá-lo fisicamente! Isso é típico de totalitarismos fascistas, socialistas, de todos os matizes.

No fim, o desespero de alguns parece ser o fato de que para a grande maioria dos brasileiros, que não são psicopatas, esse ato doentio reforçou imensamente as chances de eleição, agora,quem sabe, num primeiro turno do candidato agredido. A burrice e insanidade do atentado é seguida de nova imbecilidade que é a negação de fatos incontestáveis, reforçando cada vez mais a candidatura daquele que não agrediu ninguém em momento algum, mas foi vítima de intolerância, violência real e barbarismo.

38 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Doutor, comungo de todas as suas considerações. Só ontem eu fiquei sabendo que existia gente comemorando e também gente espalhando que o atentado era fake news. Fiquei estupefata com a falta de limite da imoralidade em que vivemos. A vida humana já não tem valor. E esse comportamento do povo, aliás, explica porque temos no poder os políticos que temos. O povo não é vítima de nada nesse país. O povo é mais que conivente: é cúmplice de toda atrocidade que assolou o país e a reação ao atentado a Bolsonaro mostra bem qual é o caráter do povo brasileiro. Estou igualmente indignada com tudo isso. continuar lendo

Perfeito Christiana! Abraço! continuar lendo

Christina Morais:
Com todas as vênias, não é o povo, são setores ideologizados e idiotizados pela propaganda extremista de certos ídolos políticos que, apesar de se vitimizarem e acusarem os adversários de proferir "discursos de ódio", pregam a relativização das agressões a seus adversos e a utilização de meios extremos por seus correligionários. continuar lendo

Tudo isso só demonstra o caráter pútrido da esquerda, foi assim antigamente, é assim hoje e será assim no futuro. É algo inato da ideologia. A esquerda não sobreviveria sem manipular fatos, dados, e sobretudo a história. Esse é o modus operandi. continuar lendo

Verdade. Na realidade de qualquer espécie de pretensão totalitária e hegemônica de qualquer orientação. continuar lendo

Com todo respeito, acho que você conhece bem pouco da ideologia da esquerda. Até porque, se você observar os últimos acontecimentos, não é a esquerda que tem manipulado e difundido informações falsas contra adversários. Inclusive, movimentos ligados à direita têm sido duramente apenados em redes sociais por fazê-lo.

Outra coisa que merece destaque é que, quando se trata de morte/violência/assassinatos de pessoas da esquerda, nenhuma comoção ou espírito pacifista é oferecido. Quem tem "caráter pútrido"? Aqueles que se compadecem somente com os amigos?

Nós, que entendemos que os direitos humanos precisam ser assegurados, queremos que o ofensor de Bolsonaro seja devidamente processado, como qualquer pessoa, com todo o trâmite legal garantido.

Por outro lado, ficaríamos felizes se o candidato entendesse, de uma vez por todas, que incitar violência, ódio, preconceito não ajuda - pelo contrário: atrapalha. Ele, como qualquer outro brasileiro ou brasileira, não pode passar por isso! Violência jamais será a solução e isso nós aprendemos nos primeiros anos de escola, para não brigar com os coleguinhas - nem verbalmente.

Então, que justiça seja feita!

Eu poderia, muito bem, como gay e petista que sou, desejá-lo o mesmo que ele deseja para nós. Mas eu não sou assim. Que ele se recupere e participe do pleito democrático. continuar lendo

Boa noite, caro @jgabrielbrito. Primeiramente quero lhe dizer que não desejo mal para você, independente de qual ideologia propague. Não tenho absolutamente nada contra você por ser petista ou gay, sua vida não me diz respeito, trato com cortesia todos que assim me tratam. Minha irresignação é para com aqueles que se utilizam da ideologia para mascarar seus anseios violentos contra opositores políticos.

Ao contrário do que você afirmou, conheço a ideologia, já convivi com ela de pertinho por um ano. Há aproximadamente dez anos atrás (2009), fui estudante de geografia em uma universidade federal aqui no Rio Grande do Sul, todos os professores do curso eram marxistas confessos. O pai de Manuela Dávila foi meu professor de geografia e logística, inclusive. No primeiro semestre fui bombardeado com autores como Gramsci e Marx. Fui obrigado a ler O Manifesto Comunista para apresentar seminário determinado pelo professor, não tendo condições de escolher outro livro ou autor, sob pena de reprovação. Convivi com estudantes que a mísera falta de um lâmpada em sala de aula já era motivo suficiente para interromper as aulas no prédio inteiro e organizar protesto com latas e fogo em pneus em frente ao prédio da faculdade. Esse mesmo prédio é pichado de cabo a rabo com dizeres de esquerda, símbolos do comunismo e frases de ódio à direita ou a quem quer que se oponha à esquerda.

Apenas título de curiosidade, essa universidade é a UFPEL, a mesma onde ocorreu aquele "protesto" onde feministas defecavam e urinavam nas dependências da universidade, enchiam baldes de urina e jogavam nas paredes do prédio. Não satisfeitas como isso, já na rua, jogavam urina e fezes nos homens que se aproximavam dali para ingressarem no prédio para assistir aula e masturbaram-se na via pública, causando perplexidade em qualquer pessoa normal que por ali tivesse o infortúnio de passar.

Ao contrário do que você supôs, digo e repito: não anseio mal a ninguém a não ser àqueles que tenham cometido algum ato bárbaro. Não ataco inocentes por suas crenças ou ideias, mas sim bandidos que se utilizam de uma ideia para atacar outrem, como muitos esquerdistas infelizmente o fazem. E aqui digo os famosinhos, como Boulos, Maria do Rosário, Lula, Dirceu, etc. Minha briga é com esta turma, e só.

"Outra coisa que merece destaque é que, quando se trata de morte/violência/assassinatos de pessoas da esquerda, nenhuma comoção ou espírito pacifista é oferecido. Quem tem "caráter pútrido"? Aqueles que se compadecem somente com os amigos?"

Me desculpe, mas a tal direita violenta que sua ideologia e partido afirmam ainda não fez vítimas. Já dessa corrente que prega a tolerância, a paz e o respeito e diz respeitar a democracia, não posso dizer o mesmo. Bolsonaro foi só mais uma vítima, porém a mais destacada delas. Outros muitos existem e não é difícil encontrar casos na internet. Como por exemplo, casos de alunos universitários sendo espancados por estarem vestindo camisetas de alusão ao Bolsonaro; carros com adesivos depredados; o senhor que ofendeu o bandido do Lindbergh Farias quase morreu após ser empurrado contra um caminhão que passava pelo local, resultando em traumatismo craniano. Às vezes nem é preciso qualquer alusão política, pois, bastou o filme O Jardim das Aflições ser ofertado na UFPE que a esquerda universitária prontamente se organizou nos corredores da instituição e tentou impedir, utilizando-se da violência, o ingresso de simpatizantes de Olavo de Carvalho para assistirem ao filme (há vídeo disponível na internet também). O professor Galdino, de Curitiba, candidato a deputado pelo PSL foi espancado no centro da cidade sem ofender ninguém da esquerda, sem dizer um ai sequer. Aqui em Porto Alegre não é raro ver alunos da extrema esquerda perambular pelos corredores da UFRGS munidos de martelo e foice na mão, prontos para "combater invasores fascistas de direita", como fora mostrado em vídeo disponível na internet. No ano passado prestei um concurso público aqui em Porto Alegre, mas antes de ir ao meu local de prova fui levar minha cunhada na PUC para prestar o mesmo concurso, já que lá ficou determinado que seria o único local de prova para as mulheres. Qual foi minha surpresa ao chegar lá e vislumbrar que o prédio inteiro de humanas, principalmente o de Direito, estava tomado por cartazes de cunho político de esquerda (principalmente PT, PC do B e PSOL) e de frases pregando à violência aos "opositores fascistas", distribuídas pelas faixas no jardim e nas janelas.

É contra esse tipo de gente e de coisas que eu e Bolsonaro lutamos contra.

Mauro Iasi, do PC do B, falou que nós conservadores merecemos ser fuzilados apenas por discordar de sua ideologia;
Gleisi Hoffman, PT, prometeu que para Lula ser preso a PF teria que matar gente;
Benedita da Silva, PT, afirmou que a esquerda precisava de uma redenção e que isso não aconteceria sem derramamento de sangue;
José Dirceu, PT, disse que deveríamos apanhar nas urnas e também na rua;
Ciro Gomes, PDT, apesar de desarmamentista ferrenho, disse que receberia a turma de Sergio Moro na bala;

Estes são apenas alguns exemplos da tolerância esquerdista quando posta em prática.

Sobre direitos humanos, bom, este tema já é batido. Ninguém é contra direitos humanos, todas as críticas recaem no fato de como a política é utilizada na terrae brasilis, postando-se sempre ao lado dos bandidos, infelizmente. As vítimas são relegadas ao puro descaso e ao esquecimento. Não se vê uma nota a respeito da morte de policiais. Não se viu nenhuma nota da ONU ou do comitê de direitos humanos da instituição a respeito do atentado sofrido por Bolsonaro. Pelo contrário, o que vimos e continuamos vendo é que muitos integrantes da esquerda dita tolerante comemorou o atentado e usando-se das redes sociais, destila ódio gratuito aos eleitores do candidato, como se ele merecesse levar uma facada de um lunático integrante da esquerda e ex-filiado ao PSOL.

Sobre a violência, ora, outro tema já muito batido. Desculpe, mas é notória a relutância da esquerda em aceitar o fato de que Bolsonaro defende o uso da violência com aquele que é violento e utiliza-se dela como modus operandi e seu ganha pão diário. Ou seja, contra bandidos, não contra inocentes. Bolsonaro não irá parar de repetir isso, e nem deve porquanto não se deve abdicar de pregar o que é certo para agradar uma minoria.

O que ele defende, e também comungo, é que devemos tratar os violentos na medida de sua violência perpetrada. Não dá para aceitar a ideia de tratar bandido homicida, latrocida, estuprador, assaltante, traficante, com carinho e compaixão. Essas condições devem ser garantidas, no primeiro momento, às vítimas, elas são a prioridade. Depois, o Estado lesado. E por último, o bandido, o verdadeiro vilão da história. Não o contrário, como fazem as comissões de direitos humanos espalhadas pelo país. Não. Nem Bolsonaro, nem nós conservadores e ninguém deve aceitar isso. É absurdo.

Não se combate violência com abraços na Lagoa Rodrigo de Freitas, nem com soltura de pombas brancas, e menos ainda com fofismo penal e desencarceramento, como propagam por aí, como se prender bandidos violentos fosse a razão que faz girar o motor propulsor da violência. Não. É justamente o contrário disso que faz a violência continuar sua espiral crescente: é a falta da devida punição como resposta pelos crimes cometidos.

O que vemos é a mídia distorcer completamente suas frases, retirá-las de contexto e demonizá-lo como um novo Hitler em ascensão, tentando passar a ideia que seu governo irá aniquilar certos grupos sociais. Transforma-se uma frase de retaliação contra bandidos armados de fuzis em "ele vai mandar metralhar toda a Rocinha". É a mesma mídia que tratou o ato de furar o boneco inflável de Lula como "atentado" e a facada em Bolsonaro como "incidente".

Isso não é apenas um delírio insano, é a mais pura demonstração de mau-caratismo e má-fé que podemos encontrar por aí. É essa mesma mídia que possui culpa no evento ocorrido, e não o candidato. É a mídia que o pinta como tudo de ruim, odioso e fascista. Ele é a vítima, e nesta condição, não tem culpa.

Caso seu discurso justifique a facada, certamente as figuras supracitadas poderão sofrer atentado semelhante e o criminoso estaria justificado em seus discursos, pois, já que vale para um lado, por certo que para o outro também. O duplo padrão moral, desculpe novamente, mas é inerente à esquerda. É ela que diz não ser representada pelo lunático mas que está há dois dias comemorando a tentativa de homicídio do candidato líder nas pesquisas pelo fato dele ser o contraposto no espectro político.

Faça-se a justiça, sim, não só para Bolsonaro, mas para Marielle também e para as mais de 63 mil vítimas de homicídios e para todas as vítimas deste país infame que mata de todas as formas possíveis e é justificado por um grupo seleto que ganha muito dinheiro com a desgraça alheia.

Infelizmente, declarar-se conservador, hoje, é sinônimo de merecimento de muitos adjetivos inomináveis. Aqui no site mesmo já fui avisado que não mereço ser respondido em função de não apresentar foto pessoal no avatar, para você ver como andam as coisas...

Gostaria que todo opositor ideológico meu conseguisse dialogar como você. Até o dia de hoje, encontrei apenas um, que é meu amigo há mais de vinte anos, defensor ferrenho de Lula e petista roxo.

Desculpas pela bíblia escrita.

Minhas saudações. continuar lendo

Texano: Longo, mas PERFEITO.
Peço sua licença para destacar pequeno trecho:

"É contra esse tipo de gente e de coisas que eu e Bolsonaro lutamos contra.
Mauro Iasi, do PC do B, falou que nós conservadores merecemos ser fuzilados apenas por discordar de sua ideologia;
Gleisi Hoffman, PT, prometeu que para Lula ser preso a PF teria que matar gente;
Benedita da Silva, PT, afirmou que a esquerda precisava de uma redenção e que isso não aconteceria sem derramamento de sangue;
José Dirceu, PT, disse que deveríamos apanhar nas urnas e também na rua;
Ciro Gomes, PDT, apesar de desarmamentista ferrenho, disse que receberia a turma de Sergio Moro na bala;
Estes são apenas alguns exemplos da tolerância esquerdista quando posta em prática."

Cordialíssmas Saudações. continuar lendo

..."o desespero de alguns parece ser o fato de que para a grande maioria dos brasileiros, que não são psicopatas, esse ato doentio reforçou imensamente as chances de eleição, agora,quem sabe, num primeiro turno do candidato agredido".

Será que o Bolsonaro será eleito já no primeiro turno?
Acredito que sim...
Muitos eleitores de outros candidatos mudaram os votos nas últimas 24 HS, sabia?
Acho que teremos surpresas nas urnas. continuar lendo

Pode ser um efeito desse ato nefasto. Certamente um efeito não desejado por seu autor e aqueles que o aplaudem. continuar lendo

O criminoso já tem quatro, isso mesmo, quatro advogados patrocinando a causa. Não precisou da Defensoria Pública. Pra mim isso é indício de um ato orgânico. continuar lendo